Segunda, 27 de Junho de 2022
18°

Poucas nuvens

Itapiranga - SC

Dólar
R$ 5,24
Euro
R$ 5,53
Peso Arg.
R$ 0,04
Destaque CASO RAFAEL

Realização do júri do caso Rafael custou mais de R$ 160 mil ao Judiciário

Julgamento foi cancelado após a bancada de defesa da ré abandonar o plenário

22/03/2022 às 07h46
Por: Redação1 Fonte: Correio do Povo
Compartilhe:
Divulgação
Divulgação

Cancelado após a bancada de defesa da ré abandonar o plenário nesta segunda-feira, o júri do caso Rafael custou aos cofres públicos mais de R$ 160 mil reais, de acordo com o Tribunal de Justiça do RS. O montante, segundo o órgão, envolve a contratação de empresa organizadora de evento, realização de licitação, contratação de link de comunicação de dados (internet), despesas com vigilância, transporte de bens, aluguel, diárias, entre outros serviços.

A organização do julgamento, do ponto de vista da logística, demandou meses para ser estruturada, tendo contado com o envolvimento de aproximadamente 50 colaboradores, entre 15 setores do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) e terceirizados.

Na última semana, as equipes trabalharam para transformar o salão principal do Independente Futebol Clube em um Salão do Júri, já que a sede do Foro da Comarca não comporta um evento de grande porte. No clube, foram realizadas adaptações de pontos lógicos e de elétrica, bem como a colocação de mobiliário, banheiros químicos e gerador, a fim de possibilitar o bom andamento dos trabalhos.

O TJRS afirmou que já adotou providências junto à Procuradoria-Geral do Estado (PGE) para avaliar possíveis medidas de ressarcimento ao erário público em virtude do ocorrido.

Trâmite

Rafael Winques, de 11 anos, foi morto em maio de 2020. A mãe dele, Alexandra Dougokenski, é acusada de cometer homicídio qualificado (motivo torpe, motivo fútil, asfixia, dissimulação e recurso que dificultou a defesa), ocultação de cadáver, falsidade ideológica e fraude processual.

Em menos de 1 ano de tramitação, a fase de instrução processual  (oitiva de testemunhas, produção de provas, interrogatório da ré) foi concluída. O processo foi conduzido pela Juíza de Direito Marilene Parizotto Campagna, que decidiu que Alexandra deveria ser julgada pelo júri popular.

 

O julgamento foi marcado para novembro do ano passado, mas acabou sendo adiado em razão do ataque cibernético sofrido pelo Poder Judiciário e também dos trâmites do processo de licitação para contratação de empresa de apoio ao evento.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Itapiranga - SC Atualizado às 05h55 - Fonte: ClimaTempo
18°
Poucas nuvens

Mín. 17° Máx. 26°

Ter 27°C 16°C
Qua 21°C 12°C
Qui 25°C 10°C
Sex 27°C 15°C
Sáb 27°C 15°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Anúncio
Anúncio
Enquete
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias