Terça, 19 de Outubro de 2021 18:34
(55) 99612-5337
Geral Espécie

Espécie de morcego que se alimenta de sangue aparece pela primeira vez no RS

Espécie de morcego que se alimenta de sangue aparece pela primeira vez no RS

26/06/2020 22h52 Atualizada há 1 ano
Por: Redação
Espécie de morcego que se alimenta de sangue aparece pela primeira vez no RS

A presença de uma espécie de morcego, até então inédita no Rio Grande do Sul, foi identificada por técnicos da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, em Restinga Seca, na Região Central do estado.

Três animais da espécie Diaemus youngi, de morcegos hematófagos, que se alimentam de sangue, foram localizados em 2019. A captura foi divulgada nesta sexta-feira (26), pela secretaria estadual. Até então, somente a presença de uma espécie hematófaga era conhecida no RS, a Demodus rotundus.

A descoberta foi publicada no periódico científico "Notas sobre Mamíferos Sudamericanos", da Sociedade Argentina para o Estudo de Mamíferos (Sarem). Após a publicação do artigo, novos espécimes de Diaemus youngi também foram encontrados na região das Missões.

Alerta aos criadores de galinha

O Diaemus Youngi se alimenta de sangue de aves silvestres e galinhas criadas soltas. Não transmite raiva, como é o caso da espécie mais comum no estado.

O coordenador do Programa de Controle da Raiva Herbívora da Seapdr, Wilson Hoffmeister, lembra que mesmo assim a presença dos animais deve inspirar cuidados.

“A Diaemus youngi pode transmitir doenças para aves, mas é difícil que consiga contaminar aves comerciais, criadas em galpão, porque esses espaços são telados justamente para evitar isso”, avalia.

“É uma descoberta importante, mas não nos preocupa no combate à raiva. Descobrir essa espécie no Rio Grande do Sul pode, por exemplo, explicar a disseminação de doenças em aves que não tinham explicação lógica até o momento”, afirma.

O analista ambiental da secretaria, André Witt, comenta que, para evitar riscos, produtores de galinhas devem tomar cuidado com suas criações.

“O ideal é que elas sejam resguardadas no período noturno em galinheiro fechado com telas de diâmetro reduzido, tipo passarinheiras, com o objetivo de impedir o ataque por morcegos hematófagos”, detalha.

Por G1 RS

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias