Sábado, 12 de Junho de 2021 20:01
(55) 99612-5337
Brasil Brasil

À CPI, médica barrada pelo Planalto critica tratamento precoce

Luana Araújo afirma que discussão é esdrúxula e cria falsa sensação de segurança. A médica defendeu o diagnóstico precoce

02/06/2021 18h25
23
Por: Redação1 Fonte: R7
A médica Luana Araújo, que Queiroga desistiu de nomear ao Ministério da Saúde - (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado - 02.06.2021)
A médica Luana Araújo, que Queiroga desistiu de nomear ao Ministério da Saúde - (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado - 02.06.2021)

A médica infectologista Luana Araújo falou à CPI da Covid nesta quarta-feira (2) teceu duras críticas ao tratamento precoce, defendido pelo governo como forma de combate à covid-19 na fase inicial da doença, e disse ver falta de coordenação e compreensão no enfrentamento à pandemia.

Durante aproximadamente sete horas, Luana explicou que foi dispensada de forma repentina, mas não saber porque seu nome foi barrado pelo Palácio do Planalto. A origem do veto teriam sido suas críticas já anteriores ao uso de cloroquina e outros medicamentos para o tratamento da infecção. 

Nesta quarta, as críticas foram reforçadas. Para a médica, a discussão "é delirante, esdrúxula. anacrônica e contraproducente".

Questionada sobre a defesa feita pelo Ministério da Saúde, de que os médicos devem ter autonomia para receitar medicamentos, com a anuência do paciente, ela opinou que "autonomia médica não é licença para experimentação"

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias