Sábado, 12 de Junho de 2021 21:19
(55) 99612-5337
Brasil Brasil

Randolfe vê indícios de gabinete paralelo em depoimento de Luana

Vice-presidente da CPI da Covid culpou interferência de assessores do Planalto por desistência de Queiroga em nomear infectologista

02/06/2021 19h15
32
Por: Redação1 Fonte: R7
 Edilson Rodrigues/Agência Senado - 29.04.2021 - (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado - 29.04.2021)
Edilson Rodrigues/Agência Senado - 29.04.2021 - (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado - 29.04.2021)

O vice-presidente da CPI da Covid, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que o depoimento da infectologista Luana Araújo aos senadores nesta quarta-feira (2) traz fortes indícios de que o suposto "gabinete paralelo" no Ministério da Saúde, apontado por senadores oposicionistas e independentes, continua atuando na pasta comandado pelo médico Marcelo Queiroga.

Randolfe citou o "gabinete paralelo" ao falar da desistência do ministro da Saúde Marcelo Queiroga em nomear a infectologista, dez dias depois de sua indicação a cargo de chefia em secretaria extraordinária na pasta. Ela foi até anunciada pelo ministro em evento oficial, mas nem chegou a ser nomeada ao cargo. 

No depoimento à CPI, a médica afirmou que não recebeu justificativa pela desistência de sua contratação como secretária extraordinária.  

"As afirmações dela dão conta de que no momento da dispensa foi pesaroso para o senhor ministro da Saúde e para ela. No primeiro momento do depoimento ela foi clara que o veto veio da Casa Civil. Qual é a razão para vetar, no meio de uma pandemia, um quadro da natureza, da qualidade, da doutora Luana?", questionou o senador Rodrigues, em coletiva de imprensa. 

O "gabinete paralelo" é uma tese de senadores contrários ao governo Bolsonaro. De acordo com os parlamentares, um grupo de pessoas daria orientações externas ao presidente, o que interferiria na autonomia dos chefes do ministro da Saúde. 

Pressionado por deputados no mês passado para explicar a desistência em nomear Araújo, Queiroga afirmou que a médica era uma "pessoa qualificada", e que tinha as condições técnicas para exercer "qualquer função pública", mas que não foi nomeada porque além de "validação da técnica", era necessário "validação política" para nomeação.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias