Sexta, 17 de Setembro de 2021 16:37
(55) 99612-5337
26°

Pancada de chuva

Itapiranga - SC

Dólar com.

R$ 5,28

Euro

R$ 6,2

Peso Arg.

R$ 0,05

Geral VENENO DE COBRA

Veneno de cobra brasileira pode reduzir vírus da Covid-19 em 75%

Estudo realizado no Instituto de Química

23/08/2021 20h51 Atualizada há 4 semanas
Por: Redação1 Fonte: Revista Isto É
Ilustrativa
Ilustrativa

Estudo realizado no Instituto de Química (IQ) da Unesp, identificou que o peptídeo presente na espécie Jararacuçu pode reduzir a reprodução da Covid-19 em 75%

Pesquisadores do Instituto de Química (IQ) da Unesp identificaram um peptídeo – pedaço de proteína – presente no veneno da espécie Jararacuçu, capaz de conter a reprodução do vírus da Covid-19 (SARS-Cov-2).

Após testes realizados em laboratório, foi observado que a molécula extraída do veneno da cobra reduziu em 75% as chances do vírus se multiplicar em células de macaco. Os resultados conquistados no trabalho deram origem à um artigo, publicado na revista científica internacional Molecules.

O estudo promete ser um caminho promissor na procura por novos medicamentos para tratar pacientes infectados pela Covid-19.

“Nós encontramos um peptídeo que não é tóxico para as células, mas que inibe a replicação do vírus. Com isso, se o composto virar um remédio no futuro, o organismo ganharia tempo para agir e criar os anticorpos necessários, já que o vírus estaria com sua velocidade de infecção comprometida e não avançaria no organismo”, explica Eduardo Maffud Cilli, professor do IQ e um dos autores da pesquisa.

Atuação do veneno e etapas do estudo

O peptídeo encontrado na espécie Jararacuçu é uma molécula que interage e bloqueia a PLPro, uma das enzimas da Covid-19 que multiplicam suas células. Segundo Eduardo, esse mecanismo de ação é interessante pois todas as variantes do SARS-Cov-2 possuem a PLPro. Por isso, a propensão é de que a molécula preserve sua eficácia contra as diferentes mutações do vírus.

 

O ensaio é feito com as células de macaco cultivadas em laboratório, que recebem o peptídeo e, após uma hora, o vírus é adicionado na cultura. Após dois dias, os pesquisadores avaliam os resultados e, através alguns cálculos, descobrem o quanto o vírus deixou de se reproduzir.

 

Na segunda etapa do estudo, quando os pesquisadores identificaram um dos mecanismos de ação do peptídeo da cobra, o composto foi testado especificamente contra a enzima PLPro, que foi obtida no Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP.

 

Nas próximas etapas do estudo, os pesquisadores irão analisar a eficácia de diferentes dosagens e como ela pode executar outras funções na célula. Depois do fim dos testes, a perspectiva é de que o estudo prossiga para a etapa pré-clínica, na qual será estudada a eficiência do peptídeo para o tratamento de animais infectados pela Covid-19.

MAIS NOTÍCIAS

Foto ilustrativa

Fonte Revista Isto É

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Itapiranga - SC
Atualizado às 16h32 - Fonte: Climatempo
26°
Pancada de chuva

Mín. 19° Máx. 26°

27° Sensação
9.3 km/h Vento
66.2% Umidade do ar
80% (5mm) Chance de chuva
Amanhã (18/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 20° Máx. 31°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Domingo (19/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 35°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias