Terça, 18 de Janeiro de 2022 02:17
(55) 99612-5337
Destaque PRIMAVERA

Primavera será de pouca chuva no Oeste de Santa Catarina

Devem aumentar as ocorrências de temporais com granizo e ventania

01/09/2021 09h05
Por: Redação1 Fonte: ND Mais
Oeste Mania
Oeste Mania

Os meses de setembro, outubro e novembro serão de chuva abaixo da média na faixa que vai do Extremo-Oeste ao Meio-Oeste de Santa Catarina. Do Planalto ao Litoral a chuva deve ficar próxima à média histórica.

É o que indica a previsão climática, elaborada pelo Fórum Climático, um conjunto de meteorologistas de várias instituições, coordenado pela Epagri, que se reúne mensalmente para discutir a previsão do clima para o próximo trimestre.

O boletim informa que no Oeste do Estado persiste a condição de chuva mal distribuída. Com mais nebulosidade e nevoeiros, o Leste de Santa Catarina deve registrar a ocorrência frequente de eventos de chuva, especialmente no Litoral e Vale do Itajaí.

"Ressalta-se que eventos localizados, com totais significativos de chuva, podem ocorrer no Oeste e sobretudo no Litoral", alerta o documento.

A previsão climática destaca ainda que aumentam no Estado as ocorrências de temporais com granizo e ventania durante os meses de setembro, outubro e novembro. Por vezes, a chuva ocorre com totais mais significativos, em curto intervalo de tempo. Por isso, a recomendação é acompanhar a atualização dos avisos meteorológicos na página e nas redes sociais da Epagri/Ciram.

Temperatura

Com relação à temperatura, a previsão é de que ela fique próxima da média climatológica no Litoral e acima da média do Extremo-Oeste ao Meio-Oeste de SC durante o próximo trimestre.

Massas de ar frio são esperadas no restante do inverno, com formação de geada e temperatura negativa. Na primavera, sobretudo em outubro, podem ocorrer episódios de frio, com formação de geada e até temperatura próxima de zero, principalmente no Planalto Sul.

Nevoeiros seguirão frequentes no trimestre, associados à nebulosidade baixa, com redução de visibilidade sobretudo no período noturno, madrugada e amanhecer. A área costeira do Estado deve ser atingida por nevoeiro marítimos mais densos e persistentes.

Médias históricas

Setembro e outubro fazem a transição do inverno para o verão, marcando historicamente o início do período de chuva com totais mensais elevados.

A chuva nestes meses está associada à passagem de frentes frias, sistemas de baixa pressão e a SCM (Sistemas Convectivos de Mesoescala). Na segunda quinzena de novembro, as pancadas de chuva de verão, associadas à convecção da tarde, passam a ocorrer com mais frequência.

Em setembro os totais de chuva variam de 150 a 210mm no Oeste e Meio Oeste e de 110 a 170mm nas demais regiões. Outubro registra os volumes de chuva mais elevados do trimestre, variando de 210 a 280mm no Oeste e Meio Oeste e de 140 a 180mm nas demais regiões.

Em novembro a chuva ocorre com totais de 130 a 180mm em média. Ciclones extratropicais atuam no litoral da Argentina, Uruguai e Sul do Brasil no trimestre.

O fenômeno provoca ventos fortes e mar agitado, que resultam muitas vezes em ressaca, o que representa perigo às embarcações. O fenômeno La Niña deve persistir até o final de 2021.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias