Sexta, 28 de Janeiro de 2022 22:09
(55) 99612-5337
Geral EMOÇÃO

'Meu sonho é ganhar uma carne para passar com a minha família', escreve menino do RS em carta ao Papai Noel

Família de Arroio Grande passou a receber doações após história viralizar nas redes sociais. Menino Héctor, de sete anos, é fã de churrasco, mas não come carne desde o Natal passado.

07/12/2021 14h01
Por: Redação1 Fonte: G1
Redes Sociais
Redes Sociais

A cartinha de um menino de sete anos, morador de Arroio Grande, na Região Sul do Rio Grande do Sul, ao Papai Noel viralizou nas redes sociais. O pequeno Hector não pede os tradicionais brinquedos que uma criança de sua idade normalmente deseja. Ele pede carne.

Hector mora com a mãe, o pai e três irmãos. Aluno da primeira série em uma escola da região, o menino aprendeu a escrever recentemente e foi estimulado pela professora a escrever uma cartinha no início de dezembro.

Emocionada com o texto escrito pelo filho, Patrícia publicou uma foto do pedido em suas redes sociais, o que gerou uma corrente de solidariedade de moradores da região. Segundo ela, o menino demostra desde pequeno ser solidário e preocupado com as pessoas ao seu redor.

Desde o início da pandemia, a família vem passando por dificuldades financeiras. Recentemente, tiveram a luz da casa desligada por falta de pagamento. A água seria cortada no início da semana, mas doações de amigos e vizinhos ajudaram a família a pagar a conta atrasada.

"Eu não posso trabalhar, porque tenho uma hérnia, então vivemos dos bicos que meu marido e minha filha fazem", conta Patrícia.

Fã de churrasco, Hector não come carne desde o Natal passado

A última vez que a família comeu carne vermelha foi no Natal do ano passado. Patrícia conta que Hector é "louco por churrasco", mas a situação financeira dos últimos meses, aliada ao aumento do preço do produto, dificultou o consumo da família.

"Ele me perguntou se a gente teria churrasco no Natal, eu falei que era bem difícil. A gente compra ossinho de porco, pata de galinha, fígado, às vezes uma coxinha. No ano passado, ganhamos um pedaço de carne e assamos. Foi a última vez. É muito difícil" diz.

Assim que publicou a foto da carta em suas redes sociais, Patrícia passou a receber mensagens de solidariedade -- ligações, visitas e até transferências bancárias de pessoas que nem conhece. A ideia de levar a carta aos Correios ou a alguma emissora de rádio local ficou para trás.

"Vou guardar. Marcou demais a vida da nossa família", conta.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias